Palavra Andante
Comentários da matéria Diminuir o tamanho da letraAumentar o tamanho da letra
Atualizado em  |  04/07/2013 11:31
Perfil
Rodrigo Espinosa Cabral
rodrigoec@gmail.com

Rodrigo Espinosa Cabral, brasileiro, vegetariano, gremista. Um pedaço de poeira cósmica que, às vezes, escreve. Palavra Andante, um passeio pelo mundo das letras.

Abrindo a Grade

Numa pequena escola, em uma periferia do Brasil, um aluno chega para a professora e diz:

foto1
clique na foto para ampliar

— Sora, larga dessa vida.

— O quê?

— Larga mão, sora.

Ela já tinha cansado de pedir para ser chamada de “professora” e agora tentava se concentrar apenas na mensagem.

— Largar o quê, menino?

— Ó eu aqui. Ganho bem mais do que você.

— Ganha?

— Ganho, ó: tênis de marca, boné daora... tudo vendendo baguio.

Ela respira fundo. Aquela situação não estava no plano de ensino. Nem nos livros da faculdade.

— É, pode ganhar bem. Mas tua carreira é curta.

Ele para, olha para ela por um instante e muda de argumento:

— Mas eu que mando aqui na quebrada. Aqui todo mundo me conhece e me respeita, tá ligado.

— Estou. Estou ligada, sim. Venho todos os dias aqui onde você mora. Já vi que aqui não tem calçamento na rua. E nem esgoto. Tem lixo jogado por tudo que é lado. Quando chove fica um barral. Tem 400 cachorros, gatos e cavalos sofridos abandonados por aí. Sem falar nas criancinhas... Por que será que tudo aqui anda tão esquecido?

Era um momento novo para ele, pensar sua vida a partir do ponto de vista da professora.

— E mais, o que adianta ter tênis de marca, mas unha suja?— perguntou com um sorriso carinhoso de quem trata os alunos como se fossem filhos queridos.

— Também não avacalha, né sora! — disse rindo. Conhecia a professora há dois anos e gostava dela.

— Tudo bem, mas o que adianta caminhar calçando 300 reais em cada pé, mas tendo que desviar da lama e das poças?

Ele parou e ficou em silêncio. Pensava. Seu pensamento calçava as ruas, vestia as crianças e limpava seus ranhos. Não gostava de ouvir o que ela falava, mas sabia que era verdade. Para a professora também era um diálogo inusitado. Abria a grade curricular e libertava o pensamento.

Se olhasse pela janela, veria que Paulo Freire passeava pela rua.

Rodrigo Espinosa Cabral


21/02/2017 11:06
A vida é massa!
Márcio Roberto Goes
11/01/2017 19:33
Seis dicas de planejamento de metas para 2017
Leila Longo Romão
11/01/2017 19:31
A volta ao varejo personalizado de nossos avós
Leila Longo Romão
06/12/2016 17:34
O ciclo da vida
Márcio Roberto Goes
23/11/2016 15:48
Invista na decoração da loja para o Natal
Leila Longo Romão