0,0 mm
25,7°C
 
Mundo Novo
O meio ambiente é um inteiro
Comentários da matéria Diminuir o tamanho da letraAumentar o tamanho da letra
Atualizado em  |  03/09/2013 09:54
Perfil
Júlio César Moschetta da Silva
julionatural@yahoo.com.br

Graduado em Engenharia Ambiental, especialista em Educação Ambiental e Gestão de Recursos Hídricos. Atuante em Conselhos Municipais em Caçador, Comitê da Bacia do Rio do Peixe e OnG Gato do Mato. Na coluna Mundo Novo Júlio escreve sobre assuntos ambientais, relacionando o tema com o desenvolvimento humano. Também aborda assuntos de caráter filosófico, abrindo discussão sobre a consciência humana.

O meio ambiente é um inteiro

foto1
clique na foto para ampliar

Ao abordarmos a questão ambiental de uma maneira séria e conseqüente, é necessário o cuidado para que não a vejamos como algo alheio à nossa vida, como algo fora de nossa existência. Quando vemos imagens de um desmatamento ou da poluição de um rio, por exemplo, não são apenas aqueles locais geograficamente localizados que estão sendo degradados, e sim a vida da terra como um todo, a qual também é a nossa vida.

A ausência de uma consciência de integralidade entre nós e a natureza, é que não nos deixa perceber o quanto é possível contribuir para preservar o meio em que vivemos. Cada atitude preservacionista, por mais insignificante que achemos, é uma contribuição para a manutenção do equilíbrio do mundo natural, mas, pouca gente sabe disso ou, se sabe, não dá a mínima importância. Na verdade muitos indivíduos reproduzem na relação com meio ambiente a mesma postura que mantêm consigo mesmo, ou seja, a de não considerar ou qualificar acontecimentos contumazes não saudáveis que, mais adiante, no seu conjunto, vão resultar no surgimento de doenças e desconfortos de maior gravidade.

A famosa mensagem do chefe indígena Seattle ao presidente norte-americano em 1854, considerada como o maior manifesto ecológico de todos os tempos, nos dá uma idéia da unidade da vida em nosso planeta, quando assim expressa:

Isto sabemos: a terra não pertence ao homem, o homem pertence à terra. Isto sabemos: todas as coisas estão ligadas como o sangue que une uma família. Há uma ligação em tudo. O que ocorrer com a terra recairá sobre os filhos da terra. O homem não tramou o tecido da vida; ele é simplesmente um de seus fios. Tudo o que fizer ao tecido, fará a si mesmo.

Essa compreensão de integralidade do universo não vê ou sente as coisas como elementos isolados, mas como partes de padrões vibratórios integrados, conjuntos cheios de significados, cujas características mais importantes não estão em suas partes, mas na maneira como estas partes se relacionam, como escreveu Carlos Cardoso Aveline, em texto baseado no livro de Fritjof Capra, “A Teia da Vida – Uma Nova Compreensão dos Sistemas Vivos”. O mesmo também já foi dito em outras palavras por pensadores mais antigos: Assim é o grande como o pequeno, e tudo está unido a tudo o tempo todo.

Para entender de modo simples esta unidade, basta observarmos a relação que temos tido com o meio ambiente, se desmatamos, poluímos ou degradamos a natureza as reações não tardam a vir. Pense: Será que todas as alterações climáticas dos últimos tempos são provenientes do nada, ou é uma reação da própria natureza às agressões sofridas? Será que novos vírus, bactérias, pragas ou assemelhados, aparecem por acaso ou se originam das nossas ações predatórias face à natureza? A verdade é que nos falta bom senso, pois, mesmo experimentando as reações da natureza, muitas delas dramáticas e dolorosas, continuamos a transferir para o planeta o nosso próprio desequilíbrio, a nossa falta de consciência do que a vida verdadeiramente representa. Aos poucos estamos matando o planeta e não estamos nem aí para os que virão depois de nós. Entorpecidos pelo egoísmo imediatista, nem percebemos que, feito “homens bombas”, sem Deus e sem razão, ao destruirmos também somos destruídos.

Repetindo: somos um todo integrado homem e natureza, uma só vida. E todo gesto predatório, por menor que nos pareça como, por exemplo, jogar uma sacola plástica ou uma latinha qualquer na rua ou em outro lugar inadequado, é tão grave quanto poluir uma nascente de água ou um rio com agrotóxicos, ou como promover irracionalmente queimadas e desmatamentos. Tudo faz parte do todo universal. Cada ação ou omissão de nossa parte provoca uma reação positiva ou negativa sobre tudo que nos cerca e, consequentemente, sobre nós mesmos. Em sendo assim, nada melhor do que nos conscientizarmos que a qualidade de toda a vida está intimamente ligada à qualidade do tratamento que damos a nós mesmos e ao meio ambiente que é inteiro.

Uma boa Reflexão para todos.

Júlio César Moschetta da Silva


01/09/2017 12:31
A linda e o anjo
Márcio Roberto Goes
01/09/2017 12:30
Três passos para gerenciar bem uma equipe
Leila Longo Romão
09/08/2017 18:26
Como reduzir custos na empresa sem promover demissões
Leila Longo Romão