Amor & Sexo
Estou apaixonada pelo meu professor
Comentários da matéria Diminuir o tamanho da letraAumentar o tamanho da letra
Atualizado em  |  17/02/2014 10:15
Perfil
Lidiane Cattani
cattanirabello@hotmail.com

Depois de conversas e conselhos sobre relacionamentos amorosos à amigas, Lidiane passou a publicar essas histórias e opiniões. Os artigos deram tão certo que já são três anos desse trabalho. A participação do leitor e as pautas sobre o assunto são muitas, o que garante boas histórias. A popularidade da coluna se justifica pelo fato dos leitores se identificarem com as situações e pela forma descontraída como a autora conduz as respostas. A maioria dos artigos são apimentados, o que aguça a curiosidade do leitor.

“Oi Lidi, tudo bem? Assim como várias mulheres tenho o hábito de ler sua coluna e já vivenciei algumas situações ao qual me encaixo apesar da pouca idade. O que me consola é saber que tem muitas pessoas como eu que sofrem por amor. Felizmente, não sou a única a sofrer desse mal. Mas Lidiane, vamos a minha situação. Sou uma garota de 18 aninhos e, mesmo com a pouca idade, já tenho um emprego bom, ao qual me satisfaço completamente, porém eu faço um curso e, maldita ou bendita a hora que optei por iniciá-lo, pois nesse semestre um professor começou a me dar aula, e, foi a partir desse momento que começou meu sofrimento. Quando ele entra na sala eu paraliso, simplesmente fico observando ele dar sua aula como uma boba.

Não consigo me concentrar na matéria, pois fico imaginando um milhão de coisas. Ele é bonito, simpático e atencioso. Cada vez que ele vem do meu lado para me explicar ou ver o que estou fazendo simplesmente pairo no ar. Até aí tudo bem, pois, quem nunca se apaixonou por um professor?

Lidi, os problemas começam quando descubro que ele é casado e parece ser muito bem casado. Eu também tenho namorado mas confesso que se ele me desse bola, eu abandonaria meu namorado na mesma hora. Lembro que um dia você disse que existem por aí vários homens como o cara da música do Roberto Carlos – “Esse cara sou eu”.

Lidi, ele realmente é o cara! Ele é tudo de bom, atencioso, simpático, lindo, bem sucedido e inteligentíssimo. Porém eu simplesmente não sei como devo agir, eu estou apaixonadíssima por ele. Como vou chegar e falar isso? Qual vai ser sua reação? Como ele vai me interpretar? Como vai ser o restante do ano? E se ele estiver afim de me dar uma chance? Será que ele vai apenas me usar? Tantas perguntas rodeiam minha cabeça. Eu quero muito ser feliz e queria que fosse ao lado dele, mas não sei como reagir e como prosseguir com esse meu amor de novela das nove. Toda vez que falavam que sempre existia um professor que foi a paixão de uma aluna eu não acreditava, agora sou a prova viva que isso é verdade. O que devo fazer Lidi? Por favor, me ajude estou aqui sem eira nem beira, sem fazer que atitude tomar. Beijos.” – Juliana – Centro

foto1
clique na foto para ampliar

Oi Juliana. Obrigada por escrever. Amiga, desculpa a demora para responder seu e-mail, mas você deve imaginar como a minha vida é cheia de compromissos. Apesar a carga horária de jornalista ser apenas de 6 horas diárias, meu dia começa às 8 horas da manhã e segue, mais ou menos, até às 23, 24 horas. Sou viciada em trabalho! (Como dizem: Workaholic). Só desligo quando estou dormindo. E olhe lá! Meu marido, às vezes, reclama. Ele diz que queria que eu tivesse um pouco mais de tempo livre para ele. Hoje, ele entende e respeita, porque quando me conheceu eu já levava uma vida corrida. Até nas minhas férias não parei. Tanto que consegui colocar em dia meus e-mails, respondi muitos dos meus leitores, inclusive, tive tempo para responder você, apesar de que acho que cheguei tarde, porque acredito que hoje você já deve ter dado uma guinada na sua vida. Desconfio que pode estar até se relacionando com o tal professor. Mas, Juliana, apesar de não saber que rumo você tomou, vou responder mesmo assim, porque como você mesma falou: tem muita aluna que um dia se apaixonou pelo professor, ou está apaixonada, ou ainda, um dia vai se apaixonar por um professor.

Bom Juliana, você deve se perguntar: “E você Lidiane, já se apaixonou por um professor?” Menina, sabe que não. Digo, me apaixonar não, mas achar lindo de morrer, sim. E não só um, mas, mais de um. Lembro do professor de Educação Física, Samuel, para mim, até hoje o mais lindo de todos. Teve o professor Leonir Lorenzetti, que eu também achava o máximo! Sempre muito lindo, bem vestido e educado. Mas não passava disso. Pretensão a minha achar que um deles fosse olhar para mim com olhar de desejo. Tadinha de mim! Eu era uma adolescente feiiiiiinha! Diferente das minhas amigas, eu tinha corpo e porte de menina, não de mulher. Até hoje, com meus quase 39 anos, não sou mulherão. Vixi! Para completar eu ainda era muito tímida, sem graça e sem sal. Totalmente desinteressante. Juliana, nem pelos bonitões do colégio eu ousava me interessar, a concorrência era grande, tinha muito mais meninas bonitas para esses rapazes paquerar, ficar, namorar.

Mas vamos a seu dilema. Você já não é mais uma adolescente. Já deve estar com seus bem vividos 19 anos, afinal, me escreveu no ano passado e como falou não é nenhuma mulher inexperiente. Hoje, as adolescentes são bastante precoces, comparadas as da minha geração. Apesar de que no meu tempo, as meninas bonitas, interessantes já eram bem ‘ligeiras’ e, vamos combinar, mulheres bonitas são sempre muito cobiçadas, automaticamente não tem como escaparem das garras dos homens, que as cercam como gaviões.

Amiga, pelo que você descreveu esta paixão é só sua, em momento algum senti no seu relato que seu professor corresponde a esse interesse. E pelo que falou ele é casado e muito bem casado e, pior, não te dá mole. Portanto, esse já é um primeiro sinal de que está alimentando uma relação que não vai passar da sua cabeça. Se não quer sofrer é melhor começar a tirar seu professor do foco e apostar todas as fichas no seu namoro.

Mas, se seu professor, em algum momento, se mostra interessado por você, daí sim deve achar uma brecha para conversarem sobre vocês. Não estou dizendo para sair, ficar, etc e tal. Digo apenas, conversar para se conhecer e saber quais os interesses e as intenções de cada um. Juliana, se essa aproximação for apenas uma aventura, que ambos estejam cientes de que a relação não passará da cama e, não esqueça, que outras duas pessoas estarão sendo feitas de otárias por vocês dois. Mas se ambos estão insatisfeitos com seus atuais relacionamentos, esse é um bom momento para colocarem um ponto final nas relações e embarcarem em um novo romance.

Menina, não se engane, se apaixonar por professor não é o maior problema, o problema é se apaixonar por homem com-pro-me-ti-do. Na grande maioria das vezes é roubada. E quem sai perdendo geralmente é a mulher, porque o homem vai apenas desfrutar de alguns momentos de prazer e o único sacrifício que ele terá é falar algumas palavras que você quer ouvir. Se ele está bem com a esposa, dificilmente vai se separar dela só porque você é bonitinha, novinha e gostosinha. Isso só vai acontecer se você jogar a traição no ventilador. Mas daí amiga, você corre o risco dele te odiar por ter prejudicado o seu casamento. Juliana, não se esqueça, homem gosta apenas é de variar o sexo! Infelizmente, a grande maioria dos homens não perde a oportunidade se alguma mulher dá mole para ele.

Amiga, em qualquer hipótese, normalmente quem sai perdendo é a mulher. Abre o olho, Juliana! Suas aulas nunca mais serão as mesmas. Provavelmente você irá interromper o curso para evitar encontrá-lo, caso sua investida dê errado. Por isso amiga, pese bem os prós e os contras. Às vezes nos colocamos em situações que poderíamos evitar. O sofrimento é uma dessas situações. Pense: será que vale a pena trocar o certo pelo duvidoso?

Com carinho,
Lidiane Cattani Rabello - jornalista


21/02/2017 11:06
A vida é massa!
Márcio Roberto Goes
11/01/2017 19:33
Seis dicas de planejamento de metas para 2017
Leila Longo Romão
11/01/2017 19:31
A volta ao varejo personalizado de nossos avós
Leila Longo Romão
06/12/2016 17:34
O ciclo da vida
Márcio Roberto Goes
23/11/2016 15:48
Invista na decoração da loja para o Natal
Leila Longo Romão