Crônicas

Artes e religiões


Uma das melhores coisas que me aconteceu em 2014 foi a ausência da TV aberta em minha residência oficial, principalmente a sonegadora de impostos poderosa do plimplim... Mas confesso que esta ausência não me deixou a par dos exemplos de intolerância religiosa acontecidos na França semana passada... Fiquei sabendo do fato no domingo, assistindo ao Fantástico na casa de um amigo... Tenho minha fé muito sólida, mas sei também que as pessoas ao meu redor têm o direito de acreditar no que quiserem, da maneira que quiserem... Nunca pensei em abusar da fé do povo de qualquer maneira, muito menos em tirar a vida de quem quer que fosse pelo fato de não concordar com suas ideias...

Porém, a grande mídia vem sendo totalmente parcial na divulgação do fato, mostrando somente o lado daqueles que se acham poderosos e por isso, pensam que têm direito sobre as crenças das pessoas que ali vivem... Isso se deve ao fato de os seres humanos se julgarem uns melhores que os outros por causa dos bens, patrimônios, localização geográfica, idioma e crenças... Infelizmente, devemos concordar que não existe um lado certo nestes conflitos, existe sim aqueles que procuram distorcer os fatos e transformar os tiranos em heróis...

Tenho alguns amigos islâmicos que a vida encarregou de afastar com o passar do tempo, mas quero relatar aqui, um fato de 2001, logo depois do famoso 11 de setembro. No dia seguinte, em sala de aula, conversei com uma aluna muçulmana, que aliás, nunca ofereceu perigo algum para a maioria cristã dos seus colegas. Questionada sobre o que ela pensava do fato, sua resposta foi convincente: “Não concordo que devemos tirar a vida dos outros por causa da religião, mas o que dizer de todas as pessoas do meu povo que foram mortas pelos Estados unidos?”... Nem precisa dizer que ela foi aplaudida por toda a turma...

Acredito que as palavras desta adolescente de quinze anos, na época, refletem perfeitamente as guerras declaradas, ou não, por causa das religiões... E se hoje vemos um povo nas ruas fazendo protestos por causa do terrorismo, provavelmente seus líderes que criaram esta situação não o fizeram em missão de paz... Ou será que alguém mata a pessoa que aperta sua mão e respeita suas ideias?

Sou a favor da paz, em todos os sentidos e não quero, com esse texto, defender este, ou aquele... Só gostaria de deixar claro que os engravatados que criaram esta situação continuam aproveitando o luxo de seu cargo, vendo seus subordinados mortos por causa da merda que fizeram no mundo...

O Cartum é uma arte, deve ser respeitada como forma de expressão livre num mundo democrático. O islamismo é uma religião e deve ser respeitada como tal, pois aquilo que para mim é sagrado, para você pode não fazer a menor diferença, mas conto com seu respeito...

Tudo isso seria evitado se houvesse respeito às artes e às religiões...

Márcio Roberto Goes


Márcio Roberto Goes

Professor de Língua Portuguesa, língua Espanhola e suas respectivas literaturas, efetivo na rede estadual de ensino de Santa Catarina, graduado em Letras pela Unc, antigo campus de Caçador e especialista em análise e produção textual pela FAVEST. Escritor, palestrante, diretor artístico e locutor da Web rádio Ativa Caçador. Membro da Academia Caçadorense de Letras e Artes.

marciogrm@yahoo.com.br