Amor & Sexo

Santinha do Pau Oco


“Olá, Lidiane. Cresci acompanhando o seu trabalho. Hoje sou uma jovem de 28 anos. Estou casada há oito, tenho dois filhos, uma menina e um menino. Quando adolescente aproveitei bastante a vida, mas, sempre fui muito responsável. Não sei nem se a palavra é essa, porque naquela época eu não era tão madura assim, mas posso dizer então que eu era bem consciente, apesar da pouca idade. Acredito que essa preocupação se deu porque vi minha irmã mais velha engravidar e não saber quem era o pai da criança, tamanha a irresponsabilidade. Ela era uma moça bem bonita, só não se dava o mínimo valor.

Pelo fato de ser bonita muitos rapazes davam em cima, a coitada achava que queriam namorar com ela, mas o bem da verdade é que só queriam sexo mesmo. Depois que conseguiam levá-la para a cama, no outro dia não queriam mais saber dela. Assim vinha outro e outro e outro. Com isso foi ganhando fama de mulher fácil. Hoje tenho pena da minha irmã. Está com seus 40 e poucos e não consegue firmar nenhum relacionamento, apenas casos frustrantes. Um atrás do outro.

Bom Lidiane, não vim aqui falar da minha irmã, procurei você porque estou péssima, na verdade, arrasada. Faz uns seis meses que peguei meu marido no escritório com outra. Fazia um tempo que eu estava desconfiada, pois passou a sair mais vezes para compromissos a noite; não demonstrava mais interesse sexual; quando estava em casa passava horas nas redes sociais; era mensagem o tempo todo no celular. Comecei  ficar com uma pulga atrás da orelha. No dia em que peguei ele no flagra, falei que a tarde iria no salão fazer barba, cabelo e bigode,ou seja, dar uma geral no visual. E realmente fui, queria impressioná-lo. Sou uma mulher interessante, tenho um porte que atrai os olhares masculinos, tenho minha profissão, meu próprio dinheiro, minha própria estabilidade. Só que a relação desgastou, deixamos cair na rotina. Eu acabei mergulhando nos meus compromissos profissionais e na educação de nossos filhos e acabei perdendo o interesse pelo meu marido. Amo ele, só não tinha mais tesão, melhor, não tinha até o dia em que peguei ele com outro. Naquele momento, a sensação de perda me tirou o chão, passou uma novela pela minha cabeça, lembrei dos vários momentos felizes e apaixonados que vivemos juntos. Senti-me ameaça, quis matar os dois. O pior de tudo é que a mulher com quem ele estava é uma conhecida minha, pior ainda ela é psicóloga. Deveria estar aí para ajudar nos relacionamentos não ser o motivo para a separação de um casal. Várias vezes, tanto quando eu estava sozinha ou com meu marido, a encontrava e tínhamos uma relação super amigável. Naquele dia se mostrou uma tremenda santinha do pau oco. Fazia-se de moça direita, moça séria, mas não passava de uma biscate. Depois de muitas brigas e discussões, hoje estou vivendo novamente com o meu marido, mas não é mais com antes. Não sei até quando nosso casamento vai durar. Será que minha relação está fadada ao fracasso? Um abraço.” Marina – Centro

Olá Marina. Obrigada por confiar a mim o seu dilema. Amiga, imagino o quanto é duro uma traição. Até hoje não tive a infelicidade de pegar ninguém em vias de fato, mas já flagrei meu ex-marido em situações suspeitas, não uma, mas várias vezes. Briguei, esbravejei,separei e acabei voltando. Não sei se era por amor, só sei que por sete anos aceitei aquele relacionamento, que já nasceu fracassado.

Mas, Marina, não vou me estender, vou direto ao ponto, o que eu tenho a dizer para você é o seguinte: se existe amor entre vocês dois, acredito que a relação ainda tem salvação; mas, caso o amor de uma das partes não exista mais o melhor a fazer é cada um seguir seu rumo, por mais duro que seja para aquele que ainda ama. Com o tempo a pessoa supera. Nunca vi ninguém morrer por amor. O tempo se encarrega de colocar um novo amor na vida de ambos. Amiga, a dor do amor talvez não seja nem por amor, mas pelo fato de que estamos acostumados, acomodados com a presença da outra pessoa.

E agora, se ainda existe amor entre vocês, eu acredito que juntos devem buscar alternativas para o amor renascer. E perdoar é uma virtude, não pense que você não tem amor próprio só porque aceitou seu marido de volta. Não é isso. O amor é muito maior do que qualquer deslize, traição. Hoje é público e notório a quantia de mulheres que vivem correndo atrás de homem comprometido. Muitas vezes o homem sai com outra mulher por causa do seu instinto animal, não é porque existe algum sentimento de afeto. E homem é tolo, para mostrar a macheza acaba saindo somente para afirmar para si mesmo que é o garanhão, mas na verdade, não passa de um animal selvagem, o legítimo procriador da espécie.

Portanto amiga, pese os prós e contras para ver se vale a pena continuar nessa relação e também até que ponto vale a pena jogar oito anos de casamento, mais o tempo de namoro, o convívio dos filhos com os pais, o dia-a-dia com uma pessoa com quem tem afinidades e cumplicidade. Eu sou a favor da família, por ela não tem como não fazer algum sacrifício. E lembre: não existe casal que vive 100% a mil maravilhas, as relações são feitas de altos e baixos como tudo na vida. O que devemos aprender é administrar as diferenças. Pense nisso!

Com carinho,
Lidiane Cattani Rabello - jornalista


Lidiane Cattani

Depois de conversas e conselhos sobre relacionamentos amorosos à amigas, Lidiane passou a publicar essas histórias e opiniões. Os artigos deram tão certo que já são três anos desse trabalho. A participação do leitor e as pautas sobre o assunto são muitas, o que garante boas histórias. A popularidade da coluna se justifica pelo fato dos leitores se identificarem com as situações e pela forma descontraída como a autora conduz as respostas. A maioria dos artigos são apimentados, o que aguça a curiosidade do leitor.

cattanirabello@hotmail.com