Julgamento
“Viúva Negra” rompe o silêncio de dois anos no Tribunal do Júri
Marli e o filho Ulisses prestaram depoimento em júri que acontece no Fórum
Comentários da matéria Diminuir o tamanho da letraAumentar o tamanho da letra
Caçador Online  |  17/02/2017 11:06

Após dois anos em silêncio, prestou depoimento pela primeira vez nesta sexta-feira, 17, no Tribunal do Júri, a ré Marli Aparecida Teles de Souza, 48 anos, apelidada pela polícia de “Viúva Negra”. Ela é acusada de matar o ex-companheiro Rui Nadarci Dias de Oliveira, 60 anos, em 2014.

foto1
clique na foto para ampliar

Também é acusado pelo crime o filho Ulisses Antônio Souza de Oliveira, 23 anos, que está no banco dos réus. O júri popular teve início às 9h no Fórum e deve perdurar até à noite, em razão da complexidade do processo.

Em seu depoimento prestado ao juiz, Marli negou a intenção de matar Rui. A morte aconteceu na casa da ré. Segundo ela, o ex-companheiro estava nervoso e por este motivo lhe ofereceu meio vidro de calmante. Em seguida, a vítima deitou na cama, dormiu e algum tempo depois Marli descobriu que ele estava sem vida.

A ré assumiu em júri que foi a autora da ideia de colocar o corpo na camionete da vítima e levá-lo a outro lugar. Ela disse que telefonou para o filho Ulisses, o qual compareceu até a casa e ajudou a colocar o corpo no veículo. Foi Ulisses, segundo a mãe, que dirigiu até a rodovia onde foi encontrado a camionete com o corpo dentro.

Marli também negou que a intenção era fazer parecer um acidente. Segundo o seu depoimento, Ulisses sofreu uma saída de pista, pois estava chovendo forte, e depois abandonou o veículo.

Sobre o seguro de vida, a ré afirma que quem contratou foi o filho Ulisses. Ela confirmou que dois a três meses após a morte foi tido contato com a seguradora para reaver a indenização.

Marli foi interrogada pelo juiz, pelo promotor Fernando Rodrigues de Menezes Junior e pela advogada de defesa Márcia Helena Silva. O depoimento durou mais de uma hora. Em seguida, foi ouvido o réu Ulisses e agora ocorre a parte de acusação e defesa.

Os dois se encontram presos desde 2014 e respondem pelos crimes de homicídio triplamente qualificado (pelo motivo torpe, pelo emprego de veneno e pela dissimulação), além de fraude processual, corrupção de menores e duas tentativas de estelionato contra as seguradoras. As penas máximas dos delitos podem passar dos 50 anos de reclusão.

Comentários (0)
 
Deixe seu comentário
Os comentários não representam a opinião do Portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Comentários com ofensas pessoais, publicitários, de cunho político e palavras de baixo calão serão excluídos.
* Identificação:
* Comentário:
 
 
Hiperdia - 25/04/2017 09:32
Grupo conhece projeto sal de ervas da Uniarp
Apresentação do projeto teve 40 moradores com hipertensão ou diabetes
Faculdade Senac - 25/04/2017 09:19
Confirmada 1ª turma de pós-graduação em Gestão Estratégica de Pessoas
Os 25 matriculados receberão a aula inaugural na próxima sexta-feira, 28
Descentralização - 24/04/2017 21:21
Educação inicia visita nas escolas municipais
O objetivo da ação é descentralizar os trabalhos informou a secretária de Educação
Feriado - 24/04/2017 17:56
Dia do Pedal será na próxima segunda-feira
Evento promovido pelo Sesc será no Parque Central de Caçador
Tribunal - 24/04/2017 17:12
Justiça Desportiva pune o Kindermann por escalação irregular
Auditores aplicaram a perda de três pontos na competição e multa de R$ 50 ao clube
Oportunidade - 24/04/2017 16:42
MPF abre seleção para estagiários em Caçador
O processo seletivo é voltado para acadêmicos do Curso de Direito
Em Caçador - 24/04/2017 15:47
Mais de 18 mil pessoas devem ser imunizadas contra gripe A
Campanha segue até 26 de maio. O dia D está marcado para o sábado, 13 de maio
Motovelocidade - 24/04/2017 15:26
Caçadorense estreia com vitória em Interlagos
Agnaldo Schmitz venceu na categoria do SuperBike Brasil neste domingo, 23