Julgamento
“Viúva Negra” rompe o silêncio de dois anos no Tribunal do Júri
Marli e o filho Ulisses prestaram depoimento em júri que acontece no Fórum
Comentários da matéria Diminuir o tamanho da letraAumentar o tamanho da letra
Caçador Online  |  17/02/2017 11:06

Após dois anos em silêncio, prestou depoimento pela primeira vez nesta sexta-feira, 17, no Tribunal do Júri, a ré Marli Aparecida Teles de Souza, 48 anos, apelidada pela polícia de “Viúva Negra”. Ela é acusada de matar o ex-companheiro Rui Nadarci Dias de Oliveira, 60 anos, em 2014.

foto1
clique na foto para ampliar

Também é acusado pelo crime o filho Ulisses Antônio Souza de Oliveira, 23 anos, que está no banco dos réus. O júri popular teve início às 9h no Fórum e deve perdurar até à noite, em razão da complexidade do processo.

Em seu depoimento prestado ao juiz, Marli negou a intenção de matar Rui. A morte aconteceu na casa da ré. Segundo ela, o ex-companheiro estava nervoso e por este motivo lhe ofereceu meio vidro de calmante. Em seguida, a vítima deitou na cama, dormiu e algum tempo depois Marli descobriu que ele estava sem vida.

A ré assumiu em júri que foi a autora da ideia de colocar o corpo na camionete da vítima e levá-lo a outro lugar. Ela disse que telefonou para o filho Ulisses, o qual compareceu até a casa e ajudou a colocar o corpo no veículo. Foi Ulisses, segundo a mãe, que dirigiu até a rodovia onde foi encontrado a camionete com o corpo dentro.

Marli também negou que a intenção era fazer parecer um acidente. Segundo o seu depoimento, Ulisses sofreu uma saída de pista, pois estava chovendo forte, e depois abandonou o veículo.

Sobre o seguro de vida, a ré afirma que quem contratou foi o filho Ulisses. Ela confirmou que dois a três meses após a morte foi tido contato com a seguradora para reaver a indenização.

Marli foi interrogada pelo juiz, pelo promotor Fernando Rodrigues de Menezes Junior e pela advogada de defesa Márcia Helena Silva. O depoimento durou mais de uma hora. Em seguida, foi ouvido o réu Ulisses e agora ocorre a parte de acusação e defesa.

Os dois se encontram presos desde 2014 e respondem pelos crimes de homicídio triplamente qualificado (pelo motivo torpe, pelo emprego de veneno e pela dissimulação), além de fraude processual, corrupção de menores e duas tentativas de estelionato contra as seguradoras. As penas máximas dos delitos podem passar dos 50 anos de reclusão.

Comentários (0)
 
Deixe seu comentário
Os comentários não representam a opinião do Portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Comentários com ofensas pessoais, publicitários, de cunho político e palavras de baixo calão serão excluídos.
* Identificação:
* Comentário:
 
 
Crime - 22/02/2017 07:29
Assaltantes amarram médico e roubam camionete, pistola e cofre
A vítima de 60 anos conseguiu ajuda numa casa que fica a poucos metros do local
Esporte - 21/02/2017 23:08
Caçador volta ao futebol profissional masculino
Tricolor do Contestado vai montar time para disputar a Série C do Estadual
Polícia Civil - 21/02/2017 21:19
Delegado pede ajuda para encontrar donos de objetos
Pertences estão apreendidos na delegacia e até agora ninguém procurou por eles
Câmara - 21/02/2017 21:06
Aprovado projeto que institui a Guarda Municipal
Além do trânsito, agentes voltarão a cuidar do patrimônio, por exemplo
Eficiência - 21/02/2017 18:43
Câmara devolve mais R$ 150 mil ao Executivo
O valor é resultado da economia feita pelo Legislativo no mês de fevereiro
Inspeção estadual - 21/02/2017 18:28
Entreposto de carnes é certificado pela Cidasc
Empreendimento segue as normas técnicas e amplia a venda de “espetinhos"
Acidente - 21/02/2017 18:18
Moto atropela criança de 9 anos em Caçador
A vítima ficou ferida e foi socorrida pelos Bombeiros Voluntários
CDL - 21/02/2017 18:02
Confira o horário de funcionamento do comércio no Carnaval
Veja o que abre o que fecha durante os festejos no município de Caçador