Caçador

Polícia Civil elucida homicídio ocorrido em fevereiro e prende dois suspeitos

Gustavo, de 15 anos, foi golpeado na cabeça e abandonado numa estrada ainda vivo

A Polícia Civil, por meio da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Caçador, prendeu preventivamente A.R. (38 anos) e L.G. (22 anos), suspeitos do homicídio de Gustavo Manoel de Oliveira Machado, de 15 anos, ocorrido em 5 de fevereiro.


Local onde ocorreu o crime

A operação se iniciou na madrugada de sexta-feira, 15, e teve 24 horas de diligências ininterruptas até a entrega dos presos no Presídio Regional de Caçador.

A DIC, com apoio de policiais civis da Delegacia do Município de Calmon e da Delegacia da Comarca de Caçador, cumpriram dois mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão temporária.


A vítima foi morta com um golpe na cabeça

Após interrogatório, oitivas de testemunhas, entre outros atos investigatórios que vinham sendo realizados desde 5 de fevereiro, A.R. confessou que, junto de L.G., atraiu Gustavo até o local em que foi encontrado seu corpo, nas margens de uma estrada secundária, no bairro Aeroporto, nas proximidades da empresa Guararapes.

No local, que não é habitado, L.G. teria golpeado Gustavo com uma tonfa de madeira, de aproximadamente 50 centímetros, causando traumatismo cranio encefálico, que foi a causa da morte. Segundo A.R., quando ele e L.G. deixaram o local, Gustavo ainda estaria vivo, vindo a morrer posteriormente em razão dos ferimentos.

A.R. disse ao delegado que a intenção era aplicar uma lição em Gustavo, que teria, segundo ele, furtado R$ 250,00 de sua casa uma semana antes. Alegou, assim, que não tinha intenção de matá-lo. L.R. ficou em silêncio em seu interrogatório.

Apesar da alegação, os suspeitos foram indiciados pelo delegado de polícia pelo crime de homicídio qualificado pelo motivo fútil (em razão de um suposto furto de R$ 250,00) e pela dissimulação, crime considerado hediondo.

De acordo com o delegado Fernando Guzzi, ainda que os indiciados não tivessem a intenção inicial de matar a vítima, por deixarem-no severamente machucado em local ermo após as agressões, eles assumiram o risco da morte de Gustavo, causada por eles.

Um terceiro investigado, preso temporariamente durante a sexta-feira, foi interrogado e liberado na madrugada de sábado, por ter se comprovado que não teve qualquer participação no crime.

Com a solução deste caso, a Polícia Civil de Caçador tem um índice de 100% de resolução de homicídios em 2018. Ao total foram 4 homicídios, todos solucionados e com todos os indiciados presos.



Comentários (4)

para vamos logo

18/06/2018 07:49

oque a matéria tem haver com ir em bora do pais? achei o comentário meio fora do assunto.

VAMOS LOGO

17/06/2018 09:49

Se pudessem, 62% dos jovens brasileiros iriam embora do país Datafolha mostra ainda que 56% dos adultos com nível superior gostariam de deixar o Brasil

Exemplo

16/06/2018 22:32

Lamentável que não sirva de exemplo para "menores" infratores. Eles sabem que a lei protege-os no crime, mas não da vingança de algumas vítimas.

jeferson

16/06/2018 16:54

Parabéns.e o caso Burlin de Matos Costa.nada ainda...]

Deixe seu comentário