Julgamento

Homem pega 16 anos de reclusão por morte violenta

Vítima foi esfaqueada oito vezes e sofreu traumatismo craniano após uma discussão

Um homem foi condenado a 16 anos e quatro meses de reclusão por homicídio doloso nesta quarta-feira, 12, no Tribunal do Júri, em Caçador. O corpo de jurados entendeu que o réu Sergio Farias, de 44 anos, matou a vítima Cleverson José Tavares com oito golpes de faca. O crime ocorreu em novembro de 2016 na cidade de Rio das Antas.


Réu, em pé à esquerda, no momento da leitura da sentença

As teses de acusação foram totalmente acolhidas pela maioria dos jurados, os quais reconheceram inclusive a qualificadora do motivo fútil. Também houve aumento na pena em razão da reincidência do réu, que já havia sido condenado por outro homicídio ocorrido há alguns anos.

O promotor de justiça João Paulo de Andrade, que fez a acusação em plenário, comenta o resultado. “O país vive um momento violento. O réu assim agiu em decorrência de uma discussão banal numa ‘bebedeira’, golpeando a vítima até a morte quando ela já estava caída no chão. O filho do próprio réu presenciou a cena”, disse.

Já o réu alegou legítima defesa e que não houve uma discussão banal. Outra tese defensiva foi a de homicídio privilegiado (quando há injusta provocação da vítima), que seria passível de redução da pena. Todavia, os argumentos da defesa não foram aceitos pelo corpo de jurados. A defensora pública Elaine Caroline Masnik afirmou que estudará recorrer do resultado.

O juiz de direito Gilberto Kilian dos Anjos comentou, em entrevista, que o júri popular é o exercício da democracia com a participação cidadã das pessoas da comunidade em um Tribunal. “A legislação confere às pessoas o poder de julgar os seus semelhantes nos crimes dolosos contra a vida e conexos. A meu ver, é um dos pilares da República tal participação popular”, pondera o magistrado, que presidiu a sessão do júri.

Após a leitura da sentença, o condenado foi novamente encaminhado ao Presídio Regional de Caçador, onde irá cumprir a pena em regime inicialmente fechado.



Comentários (0)


Deixe seu comentário