Especial

Um raio X dos Jasc na economia de Caçador

Veja o quanto a competição contribuiu para a geração de emprego e renda na cidade

Mesmo antes de encerrar a sua 58º edição, os Jogos Abertos de Santa Catarina já deixam o seu legado para Caçador. Além de investimentos nas praças esportivas, que possibilitarão à comunidade usufruir desses locais após o término das competições, a geração de emprego e renda está impulsionando a economia do município anfitrião, com reflexos também em cidades vizinhas.


Foto: Ascom Prefeitura de Caçador

A rede hoteleira é uma das principais beneficiadas com a vinda dos Jasc. A lotação máxima dos últimos dias nos hotéis da cidade fez com que atletas, dirigentes e familiares procurassem reservas também em Videira e Calmon.

Nos hotéis Kidermann, Brivalli Centro e Brivalli Eventos, que juntos somam 248 quartos com capacidade para 570 hóspedes, as reservas somente com os Jogos Abertos se aproximaram dos 60% durante os dias de competições. Isso, somado ao movimento normal do dia a dia e de outros eventos paralelos em Caçador, fez com que a lotação se aproximasse ou ficasse na sua totalidade em toda a primeira quinzena do mês.


Foto: Jairo Pedroso

Segundo o diretor comercial Richard Kindermann, os Jasc vêm para alavancar o ano difícil para a rede hoteleira na cidade, onde a taxa de ocupação está abaixo do esperado até o momento. “Em 2018, somente em quatro datas conseguimos uma ocupação total dos apartamentos. Caçador vive do turismo de negócio e um evento desta magnitude faz com que não apenas a rede hoteleira, mas o comércio como um todo seja agraciado”, explica.

No hotel Alcácer, o evento esportivo foi responsável por 80% da lotação do local durante o feriado prolongado de 7 a 9 de setembro, conforme explica o gerente João Carlos Mazzotti. Além disso, durante esta semana os números chegam a 40% do total de reservas. “Isso contribuiu para que na terça e quarta-feira (10 e 11) tivéssemos a lotação máxima”, explica.

Em Videira os empreendimentos também foram beneficiados. Zaira Dagnoni, gerente do Hotel das Videiras, explica que no último final de semana o movimento aumentou 50% com a presença dos atletas, dirigentes e familiares. “Foi um incremento importante porque em feriado prolongado o movimento cai significativamente. Os Jasc, mesmo não sendo em Videira, deixaram a sua contribuição importante para a nossa cidade”, disse.

 

Restaurantes comemoram o saldo positivo

O saldo positivo também está sendo comemorado pelos proprietários de restaurantes da cidade, que para atender a demanda precisaram aumentar a sua capacidade refeições servidas diariamente.

Sebastião Cachoeira, proprietário do Restaurante Cachoeira, afirma que o movimento aumentou 100% em relação aos dias normais. Além disso, um espaço foi organizado no Clube 29 para atender delegações com café, almoço e janta.


Foto: Jairo Pedroso

Junto aos colaboradores atuais, outros funcionários precisaram ser contratados para o período e a demanda só não é maior devido a sua estrutura, já que atende também os funcionários da Prefeitura com cerca de 150 marmitas ao dia.

No restaurante Di Fratelli o gerente de atendimento Maicon Zeigler explica que a maior movimentação foi registrada no final de semana que passou. No sábado (8) foram servidos 420 almoços, o que significa 120 a mais do que o habitual; já no domingo foram outras 400 refeições. Mesmo não sendo o habitual o restaurante abriu as suas portas também na segunda-feira (9) para atender a demanda.

 

Procura por combustíveis também aumentou  

Os postos de combustíveis também tiveram a sua margem de lucro com a realização dos Jogos Abertos. Segundo o proprietário do Postinho Ipiranga, no Centro, Rodrigo dos Santos Lysko, a loja de conveniência foi a que mais registrou movimento, em torno de 50% a mais do que nos dias anteriores.


Foto: Jairo Pedroso

Com relação ao abastecimento, mesmo a procura sendo menor o saldo foi positivo. “Acreditamos que o acréscimo tenha chegado a 10% se comparado aos dias habituais, o que consideramos positivo se consideramos a quantidade de postos na cidade. Não há dúvidas que estamos extremamente satisfeitos com os Jogos Abertos em nossa cidade”, destaca.

A situação é parecida em outros dois postos procurados pela reportagem, onde os responsáveis preferiram não divulgar os nomes dos estabelecimentos. Em um deles a procura girou em torno de 15% a mais e no outro, entre 15 e 20%.

 

O lazer em alta

O agito dos atletas e demais visitantes pôde ser visto além dos locais de competições. Muitos deles aproveitaram os momentos de folga entre um duelo e outro para se divertir nos espaços de lazer que Caçador oferece.

No Parque Central a Fan Fest reuniu um grande número de pessoas diariamente, com apresentações musicais, culturais e a premiação de boa parte das modalidades dos Jasc. Uma praça de alimentação também foi disponibilizada para atender ao público.


Foto: Julia Kormann

Outro espaço bastante procurado nesses dias foi o Bar do Dudo. Segundo o proprietário Alan Rocha Liegel foi realizada uma programação especial e todos os dias a casa recebeu movimento intenso.

 “Além dos cardápios, diversificamos as atrações com música ao vivo, inclusive domingo e segunda-feira, quando normalmente não atendemos. Todos os dias recebemos um grande público e essa movimentação faz com que todos saiam ganhando com isto, inclusive os funcionários que têm valores acrescidos em seus vencimentos pelos dias a mais trabalhados”, explica.

Alan informa ainda que apesar de não ter sido realizado um balanço geral até o momento, uma vez que os jogos seguem até domingo (16), a lucratividade deve chegar a 300% se comparada à mesma época de 2017.

 

Movimento intenso nas ruas e lojas

As avenidas centrais de Caçador ganharam uma movimentação extra desde o feriado de 7 de setembro.  Consequentemente, lojas e outros estabelecimentos comerciais sentiram os efeitos positivos deste público, beneficiando-se com o aumento nas vendas de seus produtos.

Para atrair clientela, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Caçador (CDL) em conjunto com a Câmara Setorial do Vestuário promoveu nos dias 5,6 e 8 de setembro o Liquida Caçador, reunindo mais de 50 lojas com o objetivo de oferecer aos consumidores mercadorias de qualidade com descontos especiais.


Foto: Jairo Pedroso

Mesmo os números ainda em abertos, o presidente da CDL, Valtair de José Cardoso de Vargas, destaca que as vendas foram satisfatórias. Segundo ele, além dos consumidores internos, pessoas de outros municípios aproveitaram para visitar o comércio contribuindo para o aumento nas vendas.

Na avaliação do empresário Silvio Davi Eichele, proprietário da Rede Via Brasil, o balanço também é positivo. Ele explica que apesar de a procura pelos produtos serem menores se comparada ao setor de serviços como hotéis e restaurantes, os Jogos Abertos têm contribuído para alavancar as vendas nesta semana, especialmente no setor esportivo.

“Como tivemos as promoções do Liquida Caçador, não é possível mensurar se o impacto positivo se deve apenas aos Jasc, mas pudemos observar a presença de atletas e dirigentes nas nossas lojas”, informa.

 

Lucratividade se expande para os bairros

Não são apenas os estabelecimentos centrais que comemoram o incremento nas vendas. Os proprietários de mercados e mercearias dos bairros, especialmente àqueles localizados próximo aos locais de alojamento também estão “sorrindo à toa”. 


Foto: Nina Pirolla

No Bairro Martello, onde há atletas alojados em seis locais, em empreendedores estão satisfeitos com os novos compradores. Segundo o proprietário do Mercado Souza, Orlandir Souza, o estabelecimento está tendo lucro de aproximadamente 30% acima da média normal. “Os atletas compraram bastante coisas ‘miúdas’ e com o cartão. Se para nós que temos um empreendimento mais retirado foi bom, imagina para os lugares mais próximos do centro”, comenta.

O lucro no Mix Mercado foi ainda maior, conforme a proprietária Celita Basejo Cardoso. “Vendemos em torno de 80% a mais nesses dias de jogos. Vale muito receber este evento, mas não é só no lado financeiro. Fizemos amizades com os atletas, que são extremamente educados. Durante os intervalos o pessoal vinha conversar, trocar experiências”.

No mercado Aparecida, do Bairro Santa Catarina, o cenário não é diferente. “Durante estes dias vendemos o dobro do esperado. Por nós estes visitantes podem ficar sempre em Caçador”, diz o proprietário Osmar Staniesky.

 

O legado além do esporte

Para o prefeito de Caçador, Saulo Sperotto, os Jogos Abertos de Santa Catarina marcam uma nova fase ao município, que se expande além do esporte. “Já sentimos os reflexos positivos na economia, no turismo e sem dúvidas nas praças esportivas. O legado permanecerá em Caçador por muitos anos e a principal beneficiada será a população, que poderá usufruir de tudo isso. Através do esporte estamos promovendo a qualidade de vida que o caçadorense tanto merece”, destaca.


Foto: Ascom da Prefeitura de Caçador

O pensamento é compactuado pelo secretário municipal de planejamento estratégico e desenvolvimento econômico e presidente da CCO dos Jasc, Edson Fezer, que destaca ainda o envolvimento de toda a comunidade para que os jogos acontecessem. “Um evento desta magnitude tem a participação de muitas pessoas e precisamos agradecer a todos que não mediram esforços para que a competição fosse um sucesso e entrasse para a história do esporte catarinense”, finaliza.



Comentários (3)

Munícipe

16/09/2018 18:31

Sou morador do b.municipios nao sei mas eu nao lucrei nada minha rua começou os jogos com pueira passou pra barro e acabou os jogos novamente con pueira enquanto no centro pra desfarcar que é cidade bonita e asfalto cima de asfalto

Rede Hoteleira de Calmon agredece ...........................

16/09/2018 18:13

Tivemos lotação máxima nos 1.740 leitos disponíveis. Tá jorrando dinheiro. "É de puxar com o rodo", como diz aquele Caçadorense.

Eu

16/09/2018 15:01

Faltou os Motéis e as zonas

Deixe seu comentário