Economia

Caçador tem saldo positivo de empregos em setembro

Foi o melhor desempenho desde março: foram 826 admissões contra 663 desligamentos

Com a criação de 163 vagas de emprego formal (saldo entre desligamentos e admissões), Caçador teve saldo positivo em setembro, conforme dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho nesta segunda-feira, 22. No total, foram 826 admissões contra 663 desligamentos no período.

Os setores que puxaram os números foram a indústria (386 admissões), de serviços (188), o comércio (129) e a agropecuária (102). Esses setores tiveram mais admissões que demissões no mês anterior, sendo que a agropecuária teve o maior saldo: 68 novas vagas de emprego.

Caçador se recuperou de um rendimento negativo registrado em agosto, quando foi contabilizado um saldo de -17 empregos (804 admissões e 821 desligamentos). Também foi o mês de setembro que o município teve o melhor desempenho na geração de empregos desde março.

Em Santa Catarina, setembro também foi positivo, com 7.217 empregos com carteira assinada (75,5 mil admissões contra 68,3 mil desligamentos no período).

 

Dados de Caçador no ano de 2018 (Caged)

Janeiro: 1000 admissões e 779 desligamentos (+221)

Fevereiro: 1405 admissões e 830 desligamentos (+575)

Março: 969 admissões e 982 desligamentos (-13)

Abril: 1054 admissões e 993 desligamentos (+61)

Maio: 825 admissões e 822 desligamentos (+3)

Junho: 803 admissões e 757 desligamentos (+46)

Julho: 839 admissões e 914 desligamentos (-75)

Agosto: 804 admissões e 821 desligamentos (-17)

Setembro: 826 admissões e 663 desligamentos (+163)

 

Dados de Caçador no ano de 2017 (Caged)

Janeiro: 851 admissões e 791 desligamentos (+60)

Fevereiro: 1193 admissões e 811 desligamentos (+382)

Março: 931 admissões e 975 desligamentos (-44)

Abril: 715 admissões e 905 desligamentos (-190)

Maio: 746 admissões e 774 desligamentos (-28)

Junho: 697 admissões e 745 desligamentos (-48)

Julho: 697 admissões e 763 desligamentos (-66)

Agosto: 826 admissões e 840 desligamentos (-14)

Setembro: 29 admissões e 647 desligamentos (+82)

Outubro: 789 admissões e 652 desligamentos (+136)

Novembro: 740 admissões e 650 desligamentos (+90)

Dezembro: 455 admissões e 956 desligamentos (-501)



Comentários (5)

Pro Carlos Alberto

24/10/2018 07:32

Você tocou na questão certa: qualificação. O fato é que tem muita, mas muita gente que, ainda hoje, acha que não precisa estudar. Que não precisa fazer faculdade. Que não precisa fazer um curso. E hoje em dia você consegue fazer muitos cursos totalmente de graça. Agora, me pergunta se interessam-se em fazer... Não à toa, o país que tem Paulo Freire como patrono amarga posições terríveis no ranking mundial de educação.

Lucas L.S

24/10/2018 07:19

O estado de Sta Catarina se sobressai no Brasil. Nossa região tem exportação de quase tudo e esse é sem dúvida nossa diferença. Se fossemos dependente do comércio interno, vender para outros estados, estaria um caus. O Brasil está literalmente parado, não está funcionando nada, não se vê uma única obra Federal em andamento a mais de 3 anos, a construção civil praticamente não existe, programas da minha casa minha vida praticamente parado. Aqui se gera emprego de nível baixo A renda percapta é pifea, é só reparar o comércio, são entre 5 e 8 dias de movimento depois para tudo. Por isso o Brasil precisa de um presidente que tenha conhecimento Dialago experiência. Não é colocar qualquer aloprado lá so para poder dizer Tiramos esses p... , temos que pensar no Brasil e no que é melhor para o povo em geral e não apenas a poucas empresas e bancos.

Munícipe

23/10/2018 18:44

Pra que gerar emprego se com esse salário que o sindicato petralha oferece telves seja melhor ser desempregado uma vergonha pra cidade essa materia ta mais parecendo campanha em favor do PT

Ilmo

23/10/2018 16:54

Tenho saudades do tempo em que passavamos na serraria do Adami, do Tombini, etc, enchíamos a gaiota com o refugo dos pinheiros serrados e saia vender lenha pela cidade. Minha infância foi pobre mas foi muito linda.

Carlos Alberto

23/10/2018 10:36

O maior problema é que Caçador gera empregos principalmente na base da pirâmide, salários mais baixos, mão de obra pouco qualificada, força bruta. É extremamente baixo o percentual de vagas de mão de obra qualificada geradas na cidade. O resultado está aí: Comercio e Serviços que não fogem do "basicão" e nada mais. A Madeira, que no passado fez o apogeu da cidade, hoje promove sua agonia. O pior é que se continuar assim, vamos nos tornar a Capital da Tabuinha. Quanta tristeza.

Deixe seu comentário