Debate

Para Cobalchini, fusão de municípios é um retrocesso

Estudo realizado pelo TCE sugere a fusão de cidades com menos de 5 mil habitantes

O debate sobre o estudo realizados pelo Tribunal de Contas do Estado, que sugere dentre outras medidas a possibilidade de fusão de municípios com menos de 5 mil habitantes, foi pauta na Assembleia Legislativa na semana passada (28). O deputado Valdir Cobalchini (MDB) usou a tribuna para dar destaque ao assunto.
De acordo com o deputado, o debate é um retrocesso para o desenvolvimento catarinense.

“Há 16 anos discutia-se aqui um modelo de governar que fosse capaz de conter fenômenos como a litoralização, que esvaziava dramaticamente o interior de nosso estado, inchando as grandes cidades do litoral, e o êxodo rural. Implantou-se uma política de fortalecimento regional, incentivando a agricultura familiar e levando acesso asfaltado a todos os municípios. Santa Catarina avançou. Agora vamos dizer para esses municípios, que mudaram sua realidade, que eles não precisam mais existir? ”, questionou o parlamentar.

Segundo Cobalchini, o Parlamento não pode ficar omisso diante do levantamento divulgado pelo Tribunal de Contas do Estado, que considera a administração dos pequenos municípios inviável. “Eu desafio os auditores responsáveis pelo levantamento a visitar cidades como Saltinho, e conversar com as famílias empregadas nas novas fábricas locais. Perguntem para o agricultor de um desses pequenos municípios “inviáveis”, o que mudou nos últimos anos."

Como presidente da Frente Parlamentar que incentiva ações e propostas para combater as desigualdades regionais, Valdir Cobalchini  promoveu o avanço no debate de políticas públicas que estimulem o desenvolvimento. “Esse sim é assunto para discussão neste parlamento. Proponho a discussão de políticas de incentivo às empresas que se instalem no interior de Santa Catarina, provendo nossas pequenas cidades de mais emprego e renda. Estimulando o crescimento econômico e, assim, as receitas das administrações municipais.”

Conforme dados apresentados pelo deputado, em 2005, as 20 cidades que mais cresciam em Santa Catarina eram litorâneas e as 20 que mais decresciam eram das regiões serrana e oeste. “Nas cidades empobrecidas na época registrava-se principalmente a falta de acesso asfaltado e de apoio à agricultura familiar. Melhorar as condições de vida nas cidades com baixos indicadores sociais foi meta perseguida nos últimos 16 anos.”



Comentários (15)

Brezek

08/03/2019 14:27

Até concordo em não se criar mais municípios. Ou mudar a lei de ter no mínimo 10 mil habitantes para virar município O que precisa mudar em um todo é esses altos salários e cabides além de vereadores e acessores que não fazem nada e ganham uma fortuna. ISSO tem que mudar e urgente.

Eleitor

08/03/2019 11:07

Deputado deviria dever seus conceitos . Vá olhar as estradas o tipo que tá em péssimas condições e caro deputado preocupado com fusão .isso não é certo deputado ...

João

08/03/2019 10:47

Não acho retrocesso,acho certo, municipios pequenos só dão prejuizos,não deveria existir municipios com menos de dez mil habitantes, parabéns a quem fizer a fusão.

Do Berger

08/03/2019 09:32

O deputado deveria ouvir seus eleitores antes de sair em defesa desses "cabides de emprego ". Uma vila com 1.800 pessoas, por exemplo, tem estrutura de cidade, com prefeito, vice, secretários, vereadores e uma tropa de sanguessugas que vivem as custas da prefeitura. Não arrecadam nem para o salário do prefeito. Seria bom direcionar seus esforços, e justificar seu mandato, para arrumar nossas rodovias que estão fazendo vítimas todos os dias.

CAÇADOR

08/03/2019 09:28

PARABÉNS DEPUTADO POR DEFENDER OS MUNICÍPIOS PEQUENOS CAÇADOR UM DIA TAMBÉM FOI TÃO PEQUENO QUANTO ESSES QUE QUEREM ANIQUILAR,OS REFLORESTAMENTO DAS EMPRESAS GRANDES DE CAÇADOR ESTÃO TODOS NOS MUNICÍPIOS PEQUENOS. AO CONTRARIO DESDE 1980 CAÇADOR E PORTO UNIÃO VEM SUGANDO OS MUNICÍPIOS PEQUENOS FAZENDO COM ESSES NÃO SE DESENVOLVA. AINDA BEM QUE TEMOS UM DEPUTADO QUE DEFENDE OS POBRES. ANIQUILAR ESSES MUNICÍPIOS É RETROCESSO SIM!!!!!!

homero haymussi

08/03/2019 09:20

espero que o retrocesso chegue imediatamente. o povo só quer ver esses privilégios se extinguirem. estudo feito execute-se. imagine só quanta economia. me recordo de minha passagem da infância para a juventude quando a atividade política legislativa municipal era de forma gratuita. ser vereador era uma forma de certas pessoas de bem se entregarem para essas atividades. ao meu ver não tem fundamento um vereador ter o salário que tem. a classe política é um distanciamento do povo e que usa esse mesmo povo para manter seus privilégios. político deveria se empenhar em fazer um plebiscito para saber se o povo concorda com salários que são pagos ao executivo, legislativo e judiciário. não há justiça entre os salários dos políticos e o povo. cuidado que em algum momento pode acontecer como aconteceu na revolução francesa..........senhores políticos, aguardem e verão.

jandir antonio rigo

08/03/2019 08:32

5000 habitantes cidade ? Estamos na Europa, que numa área de 100 km de rodovias, atravessas 3/4 PAÍSES ? A questão de RODOVIAS, independe da criação ou não de CIDADES. As rodovias, são para dar acessibilidade A TODO O TERRITÓRIO ESTADUAL/NACIONAL. Bolas ! Com 5.000 habitantes : prefeito, vereadores, secretários, motoristas, professores, policiais, juízes, entre outros. Quem trabalha e gera renda para sustentar esta estrutura ! Acredito muito mais nos técnicos que fizeram o levantamento para esta indicação.

Leitor

08/03/2019 08:02

Isso ainda vai sobrar a conta pra cidade que não tem olhos azuis pagar pelo tamanho da pobreza nessas pequenas cidades

Morador

08/03/2019 07:38

Eu conheço municípios com menos de 3000 e tem vivem muito bem. o que tem de fazer é acabar com esses cabides de emprego, vereadores, assessores, cargos comicionados.

O Rompedor

08/03/2019 05:27

Alguém precisa dizer ao Sr. Cobalchini que "Litoralização" não é fenômeno, é processo natural. Interiorização é que é fenômeno. A colonização do país começou a partir do litoral, então é natural que aqui existam as cidades maiores e mais desenvolvidas.

Caçador

07/03/2019 23:34

Macieira, Canon ou Matos Costa .. Qual é a população: qnd se gasta com prefeito vereaores etc ... rod isso dinheiro da União: não existe mas os municípios o gasto ser a 1 ou 2 vereadores

Cidadã

07/03/2019 20:41

Cidade pequena é cabide de emprego, não arrecada impostos, mas conseguem desciou de 30% das verbas ... alguém ganha então por isso permitem

Norberto Camargo

07/03/2019 19:46

Eu concordo com a fusão de municípios , municípios como Calmon ,Matos Costa, Macieira, Arroio Trinta, Timbó Grande, não se sustentam,não tem renda ,não crescem, antigamente la pelos anos 1980 quando tinha menos municípios as coisas rendiam mais, hoje estes municípios dependem do governo do estado do governo federal pra se manter, acho que no Brasil deve sim ser tomada esta atitude, vai gerar grande economia para SC para o Brasil.

Leitor

07/03/2019 18:59

Capaz mesmo que um político vai ser favorável à fusão e consequente corte de cargos eletivos...

Tsststts

07/03/2019 17:40

Retrocesso nada! Nem deveria ter municípios com menos de 10 mil habitantes. Isso é só inchaço para a máquina pública.

Deixe seu comentário