Júri popular

Jovem é condenado a 10 anos de prisão por homicídios consumado e tentado

Os crimes ocorreram no distrito de Taquara Verde no início do ano passado

O Tribunal do Júri condenou, nesta quinta-feira (7), em Caçador, o réu Jonas de Oliveira, de 22 anos, pelos crimes de homicídio e tentativa de homicídio ocorridos em Taquara Verde, no início de 2018. A sentença foi definida em 10 anos e oito meses de reclusão.

O conselho de sentença entendeu que o réu, após uma briga, esfaqueou e matou Pedro Antunes, de 28 anos, e tentou matar Clairton Serafim Antunes Júnior, na época com 17 anos. Os crimes ocorreram no dia 20 de janeiro do ano passado. 

A promotora Luciana Leal Musa, que fez a acusação em plenário, considerou o resultado como bastante justo e adequado aos fatos que foram julgados.

“O Ministério Público afastou a tese de legítima defesa que foi trazida pela parte do réu, e também afastou a tentativa de desclassificação dos crimes para lesões corporais que também foi levantada pela defesa. Se isso acontecesse, importaria dizer que o réu não agiu com a intenção de matar as vítimas. Todas essas teses da defesa não foram acolhidas pelos jurados”, comenta.

Com relação à sentença, o juiz de direito Gilberto Kilian dos Anjos, que presidiu o júri popular, explica que o réu foi condenado por homicídio qualificado em razão do recurso que dificultou a defesa das vítimas, o que aumentou a pena. Porém, houve uma redução, uma vez que os jurados entenderam que os crimes foram “privilegiados”. O magistrado explica esse termo.

“O homicídio privilegiado, que foi reconhecido pelos jurados, é entender que os crimes ocorreram diante de uma emoção extrema, após uma injusta provocação das vítimas. Houve uma discussão e agressões recíprocas, segundo o que foi narrado em plenário. O conselho de sentença reconheceu isso, sendo aplicada a redução da pena”, pondera.

Após a leitura da sentença, que ocorreu por volta das 21h, o réu foi novamente recolhido ao Presídio Regional de Caçador, onde deverá cumprir a pena em regime inicialmente fechado.

Nossa reportagem não conseguiu entrevistar o advogado de defesa, Cristiano Frederico Correa de Souza, pois ele teve que ser hospitalizado durante o andamento do júri.

Primeiro homicídio de 2018

Os crimes ocorreram no dia 20 de janeiro de 2018, no distrito de Taquara Verde. Era noite de sábado quando houve uma briga generalizada em via pública, que acabou resultando no primeiro homicídio daquele ano, em Caçador.

Duas pessoas foram esfaqueadas: Pedro, que foi socorrido por populares e morreu a caminho do hospital; e Clairton, que recebeu atendimento dos Bombeiros Voluntários e sobreviveu.

Após o crime, a Polícia Militar iniciou o levantamento de informações e chegou ao nome do Jonas como um dos possíveis autores. Ele estava escondido em uma mata fechada e acabou preso após tentar pegar carona com outros suspeitos.



Comentários (0)


Deixe seu comentário