Concórdia

Mulher que matou irmã por engravidar do marido dela vai ficar 21 anos na cadeia

O marido da acusada também foi condenado por subornar uma testemunha de acusação

Mais de 16 horas de debates foram necessárias para sentenciar a mulher, de 33 anos, acusada de matar Andreia de Oliveira, 18 anos, em Concórdia. A ré é irmã da vítima. Ela foi condenada a 21 anos e seis meses de reclusão em regime fechado por homicídio duplamente qualificado, ocultação de cadáver, corrupção de menores e por entregar a direção de um veículo a uma pessoa não habilitada. Ela foi levada diretamente para o presídio onde estava desde o crime.

O marido da acusada, de 65 anos, foi julgado na mesma sessão. Ele foi condenado a três anos e seis meses de reclusão em regime aberto. A pena foi convertida em prestação de serviços comunitários. O réu ainda terá que pagar dois salários mínimos como pena pecuniária. Ele foi acusado de subornar uma testemunha de acusação. O filho dos acusados, com 17 anos na época do crime, teria auxiliado a mãe. O adolescente está cumprindo medida socioeducativa.

O júri desta terça-feira, 30, foi presidido pelo juiz substituto Edipo Costabeber. Na acusação, atuou a promotora de justiça Mariana Mocelin, com assistência de Camila Raquel Hilgert. E a defesa ficou a cargo do advogado Osmar Colpani.

Relembre o caso

O crime chocou os moradores da Capital do Trabalho, há um ano. O motivo teria sido um suposto relacionamento amoroso que o marido da acusada teve com a moça assassinada. Extraconjugalmente, os dois tiveram um filho que tem hoje quatro anos de idade.

Por volta das 21h do dia 18 de abril de 2018, Andreia caminhava pelo centro de Concórdia quando teria sido abordada pela irmã e o sobrinho. De acordo com a denúncia, os três foram até uma comunidade do interior do município. No trajeto, a acusada teria amarrado as mãos da irmã. Ao chegar no local, a mulher fez disparos de arma de fogo contra a vítima. Dois tiros atingiram a jovem. Andreia foi considerada desaparecida, na época, já que foi encontrada dois dias após o crime.



Comentários (0)


Deixe seu comentário