Caçador

Unimed conclui curso de Desenvolvimento de Lideranças

O facilitador dos encontros foi o instrutor Marcelo Levi parceiro da empresa Vilon

A Unimed Caçador encerrou o curso de “Desenvolvimento de Lideranças” esta semana, concluindo os módulos II e III do cronograma, destinado aos coordenadores e gerência da cooperativa.

O facilitador dos encontros foi o instrutor Marcelo Levi, parceiro da empresa Vilon Desenvolvimento Criativo. O projeto tem apoio do SESCOOP, organização que busca e promove o aprimoramento e crescimento dos colaboradores e gestores de cooperativas.

O II Módulo trouxe à discussão o tema “Gestão do Tempo”, provocando uma reflexão quanto às dificuldades que impactam diretamente na produtividade dos líderes. “O objetivo da oficina é identificarmos ações que possam contribuir para a correção dessas dificuldades do dia a dia, de cumprirmos a agenda que planejamos”, explica Levi.  

O instrutor orienta que é preciso administrar o tempo, dividindo as demandas àquilo que é importante, urgente e circunstancial. “Muitas vezes estamos mais interessados em ser eficiente fazendo certas coisas do que ser eficaz fazendo as coisas certas. Precisamos parar de nos preocupar mais com as atividades do que com os resultados; estabelecer prioridades e agir na hora certa também é importante”.

O módulo de quinta-feira (23) contou com diversas dinâmicas, onde os participantes puderam analisar a importância de imprimir no seu tempo o planejamento, o equilíbrio, a ação e a prioridade de suas demandas. “O tempo é o mesmo para todas as pessoas. Ninguém tem mais ou menos tempo, alguns sabem aproveitar melhor o tempo que possuem. Para sermos ‘senhores’ do nosso tempo é preciso vontade para desaprender o que nos atrapalha e atitude para colocar em prática o ‘novo’ que aprendemos”, acredita Levi.

O último dia de treinamento (25) abordou a importância do “Feedback Avançado” entre o gestor e o colaborador. A função desta ferramenta é apoiar o desenvolvimento das competências de modo contínuo, realinhar expectativas de entregas, reconhecer comportamentos cooperativos ou importantes para a equipe. “Além disso, a troca de opiniões e percepções, obtidas através do feedback, contribui profundamente para o desenvolvimento dos profissionais e, consequentemente, da equipe. Pois, através dele é possível entender como a atuação de um afeta o outro no ambiente de trabalho”, explica o instrutor.

Construir uma relação de confiança e parceria é benéfica em vários aspectos para a organização, quando realizado um feedback adequado. “O momento deve ser oportuno e muitas vezes de forma individual. Fazer julgamento de valor e feedback sem consistência são prejudiciais ao relacionamento, misturando o pessoal com o profissional, focando na pessoa e não no comportamento por ele”, afirma Levi, ressaltando que o feedback coletivo só funciona se toda a equipe merece, seja ele positivo ou negativo. “É preciso cautela, pois muitas vezes aquele que não produziu adequadamente está no meio do grupo recebendo elogios, e vice-versa, podendo gerar desmotivação e sensação de injustiça aos demais”. E mais: “aquele que muitas vezes tem seu talento e seu valor, e ouve sem merecer, quando o feedback é negativo, pode resultar em perda do profissional para a organização”, alerta Levi.



Comentários (0)


Deixe seu comentário