Polícia Civil

Foragido há 28 anos por homicídio é preso em Lebon Régis

O homem viveu quase três décadas com nome falso e atuando como pastor na cidade

Um homem que estava foragido da justiça há 28 anos foi preso nesta sexta-feira, 24, em Lebon Régis, pela Polícia Civil. O preso, Tadeu Jesus dos Santos Souza, foi condenado a 15 anos de reclusão pelo crime de homicídio ocorrido na década de 90, em Palmas/PR.


Reconhecimento do foragido se deu por exame das digitais

Na época do crime, Tadeu foi preso preventivamente, porém, durante uma fuga na cadeia, evadiu-se para a cidade de Lebon Régis, sendo considerado foragido da Justiça. Durante os últimos 28 anos, ele viveu em Lebon Régis como pastor usando um nome falso (Paulo Osmar Ribeiro da Silva).

Recentemente, a Polícia Civil da cidade desconfiou da verdadeira identidade do homem. Uma investigação teve início, e com auxílio do Instituto Geral de Perícias (IGP) o verdadeiro nome dele foi descoberto. A identificação foi confirmada por meio das digitais, sendo que Tadeu não possui o dedo indicador.

O foragido soube que a polícia estava em seu encalço e fugiu para a cidade de Caxias na semana passada. A Polícia Civil negociou a sua apresentação com a advogada e o homem se entrou na delegacia de Lebon Régis, devendo ser encaminhado ao Presídio para cumprir a pena que foi lhe imposta.



Comentários (6)

JB

26/05/2019 10:14

Esta no meio de nós, mas não é um de nós, fiquem atentos e vigilantes.

Julio

26/05/2019 08:34

Cobrem do tedeu se ele nao pagar nem eu kkkk

Calculista

26/05/2019 08:18

Se tive um bom advogado logo tá na rua faz muito tempo prescreveu a condena e nos pastor Paulo kkk logo tá aqui no doce conosco a vilma veia tá triste

Sr Pastor

25/05/2019 15:37

Pena já prescreveu basta a advogada peticionar vida que segue.

Isso aí

25/05/2019 09:29

A justiça é cega!! Mais os Policias não!! Não tente enganar que a casa cai malandro. Bem agora no frio Ó COITADO.

Bilontra

24/05/2019 22:56

Vou orar por ele. Prá ir dar um abraço no capeta. Pilantra mentiroso.

Deixe seu comentário