Tecnologia

Caçador recebe equipamentos para realização de videoconferências no Presídio

Com a iniciativa, não haverá mais necessidade de deslocar detentos para o Fórum

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ-SC) entregou, na terça-feira (30), os equipamentos que serão utilizados para realização de videoconferências nas unidades prisionais. O Presídio Regional de Caçador é umas das 15 unidades que serão contempladas com a iniciativa.

Segundo o TJ-SC, a videoconferência deve entrar em funcionamento dentro de duas a três semanas. Esse é o prazo previsto para que a Secretaria da Administração Prisional e Socioeducativa (SAP) coloque em funcionamento os kits, que são compostos por microcomputador, monitor, webcam, caixa de som, mouse e teclado.

Com o uso da tecnologia, os juízes poderão realizar audiências com réus presos, sem a necessidade de que os detentos sejam deslocados até os fóruns. Conforme destacou o presidente do TJSC, a rotina de escoltas implica fatores de risco e há altos custos envolvidos, que serão minimizados a partir das videoconferências.

"No deslocamento de um interno de uma unidade prisional para uma unidade judiciária, há todo um staff de servidores envolvidos. O deslocamento desta pessoa, dependendo do perfil, pode gerar um risco a esses atores envolvidos e até mesmo para a sociedade fora. Fazendo uso da videoconferência, além de reduzirmos o custo, aumentamos o quesito segurança", destacou Rodrigo Collaço.

Os kits de informática entregues por meio de convênio ao Estado ainda são de propriedade do Judiciário, mas caberá ao Executivo zelar pelos equipamentos e assumir as despesas decorrentes de instalação, manutenção, conservação e suporte técnico. O termo de cessão tem prazo inicial de 60 meses, mas pode ser prorrogado por acordo entre as partes.



Comentários (1)

JB

01/08/2019 11:28

Parabéns, com certeza vai gerar uma grande economia aos cofres públicos, pois sabemos que diariamente são deslocados agentes e detentos para varias partes do Estado para serem ouvidos, implicando em diárias, despesa com combustível, além do risco a comunidade.

Deixe seu comentário