0,0 mm
25,7°C
 
Amor & Sexo
Meu casamento é uma farsa
Comentários da matéria Diminuir o tamanho da letraAumentar o tamanho da letra
Atualizado em  |  28/03/2014 18:19
Perfil
Lidiane Cattani
cattanirabello@hotmail.com

Depois de conversas e conselhos sobre relacionamentos amorosos à amigas, Lidiane passou a publicar essas histórias e opiniões. Os artigos deram tão certo que já são três anos desse trabalho. A participação do leitor e as pautas sobre o assunto são muitas, o que garante boas histórias. A popularidade da coluna se justifica pelo fato dos leitores se identificarem com as situações e pela forma descontraída como a autora conduz as respostas. A maioria dos artigos são apimentados, o que aguça a curiosidade do leitor.

“Bom dia Lidiane. Acordei inspirada para te escrever. Na verdade não dormi nada de novo. Me virei na cama à noite toda. O motivo? Meu marido. Há meses venho perdendo o sono por sua causa. Lidi, esse dilema vai acabar. Pensei muito e cheguei a uma decisão: vou me separar. Agora deixa eu te explicar o por quê. Sabe Lidi, há mais de um ano comecei a desconfiar que meu marido voltou a me trair. As desconfianças surgiram depois de alguns sinais. Amiga, você sabe que não sou nenhuma jovenzinha, já estou beirando os 50 anos. Estou casada há quase 30 anos e em todos esses anos sempre tivemos uma vida sexual ativa, mas neste último ano ele não fazia muita questão de sexo.

Começou a me procurar uma ou nenhuma vez na semana. Muitas vezes era eu ainda quem tomava a iniciativa. Comecei a estranhar seu comportamento porque meu marido priorizava muito o sexo, mas enfim, não questionei, apenas aceitei aquela condição, afinal, ele andava sempre muito cansado, cheio de compromissos profissionais e já não tinha o mesmo gás de quando jovem. É Lidi, há cerca de dois meses, minhas suspeitas se confirmaram. A grande maioria dos compromissos do meu marido eram extraconjugais. O negócio dele era fazer serão extra na casa de uma jovem estudante universitária. Felizmente ou infelizmente, essa história veio à tona depois que comecei a receber umas ligações privadas. No início não falavam nada, simplesmente ligavam e desligavam.

E essas ligações eram sempre nos horários em que meu marido não estava em casa. Até aí, tudo bem! O problema começou há cerca de um mês quando uma moça passou a me ligar (Claro, ligações privadas) com o único objetivo de me deixar com a pulga atrás da orelha. E se esse era seu objetivo, ela conseguiu. Nas ligações ela passou a me ofender de todas as formas possíveis e, claro, me informar que há quase quatro anos tem um caso com meu marido. Lidi, ela falava tanto e não dava nenhuma folga para eu argumentar. Ela dizia que estava fazendo isso para se vingar do meu marido por que ele resolveu parar de sair com ela, para se relacionar com um novo affair. Em uma das conversas ela disse que iria fazer da nossa vida um inferno: ‘Se ele não vai ficar comigo, não vai ficar nem com você, nem com ninguém. Ele vai pagar por todas as mentiras e promessas de amor eterno que fez durante anos. Ele cutucou a onça com a vara curta! Ele não sabe do que uma mulher desprezada é capaz.

Lidi, minha vida virou de cabeça para baixo. Temos três filhos, duas estão estudando fora, somente o caçula está em casa. Meu casamento nunca foi um mar de rosas, mas desde que começaram as primeiras ligações e depois que essa moça começou a despejar todas essas informações no meu ouvido, a relação desandou de vez. Quando fiquei sabendo das traições, meu marido estava comigo. Era um feriado, hora do jantar, família toda reunida e, de repente, aquela bomba, que acabou com o apetite de todo mundo. Fiquei louca, nervosa, num primeiro momento, fiquei sem chão, sem saber o que falar, o que fazer, como reagir. Eu não esperava aquela revelação de novo, nem meus filhos, que ficaram na mesa junto com minha mãe, enquanto eu e meu marido fomos para o quarto lavar a roupa suja. Meu marido confirmou que realmente teve um caso com essa moça, mas que foi apenas uma aventura. Ele disse na minha cara e com todas as letras que eu era mulher para apresentar a sociedade e mulheres como ela são apenas para satisfazer os prazeres na cama. Ele falou isso como se para mim fosse um troféu, mas, muito pelo contrário, recebi aquela frase como um soco no estômago. Na verdade, ele disse por tabela que eu não era mulher o suficiente na cama.

Lidi, segundo meu marido ele começou a se envolveu com essa moça desde que ela iniciou na faculdade. Disse que a conheceu em um barzinho e depois daquele dia passou a se encontrar semanalmente com ela. Meu marido começou a pagar sua faculdade, o aluguel de um bom apartamento e passou a ajudá-la financeiramente em tudo que precisasse. Lidi, eu precisava desabafar com alguém de fora. Por isso resolvi escrever para você. Minha família já tem a opinião formada, então, não me vejo falando sobre esse assunto de novo com minha mãe, minhas irmãs, minhas amigas e minhas filhas. Já vive essa novela no início do nosso casamento e agora as cenas se repetem. Naquela época abaixei a cabeça e priorizei o meu casamento porque nós tínhamos os filhos pequenos. Agora que nós poderíamos viver tranqüilos, uma vez que estamos com os filhos criados, meu marido apronta mais uma dessas. Pior, pelo que a moça me falou ele já está até se relacionando com outra jovem. Lidi, eu até não condeno essa pobre moça, para mim é uma coitada que se apaixonou por um velho babão, que lhe proporciona uma vida fácil. Sim, porque ela se engana se acha que morre de amores por ele. Queria ver se existiria amor, paixão se meu marido fosse um ‘peão’ de chão de fábrica. O que essa moçada de hoje quer é achar um trouxa para pagar suas contas. Sabe Lidi, essa moça me fez um imenso favor, me deu um empurrãozinho para acabar com essa farsa que é meu casamento. Quando eu era jovem, casei com meu marido porque era um excelente partido. Eu achava que o amava, mas, na verdade, me apaixonei pelo status que era casar com um jovem abastado. Minha família também era renomada e prezava o casamento com uma família de posses.  Hoje vejo que vivi uma vida inteira de fachada. Aquela pompa que eu vivia era só uma máscara para ser aceita por uma sociedade hipócrita e medíocre. Graças a Deus e a essa moça me libertei.

É Lidiane, como você sabe, não tenho mais a minha juventude, mas tenho minha maturidade e sabedoria para aproveitar todos os dias que Deus me der daqui para frente. Quero viver! Não importa quantos anos de vida eu ainda tenho, eu só sei que quero viver esses dias intensamente. Quero fazer o que me der na telha. Graças a Deus e a meus pais tenho uma vida tranqüilo. Posso me manter com o que herdei sem precisar contar com o dinheiro do meu marido. Quero viajar, vou visitar minhas filhas, vou mudar de cidade e principalmente, vou mudar o número do telefone para nunca mais precisar ser incomodada por ninguém. Vou falar apenas com quem me dê prazer em falar. Lidi, só de falar com você me deu uma grande paz de espírito, me sinto livre. Estou decidida: vou ser feliz! Eu acredito no amor e quem sabe, daqui a pouco, te escrevo dizendo que encontrei um novo amor, que encontrei uma pessoa que realmente valha a pena, uma pessoa que me ame e eu também a ame de verdade, que me respeite e que eu a respeite. Chega dessa hipocrisia vivida por muita gente que ainda dá importância ao que pensa e fala a tal sociedade. Amiga, já tomei minha decisão: vou pedir o divórcio. Depois te escrevo contando as cenas dos próximos capítulos. Um forte abraço e ... torça por mim, por essa minha nova caminhada.” Joana (nome fictício) – Centro

foto1
clique na foto para ampliar

Joana minha amiga! Que bom te ver bem e decidida. É isso mesmo! Se você acha que não dá mais, não tem porque ficar vivendo de aparência. Somente quem está dentro de uma relação é que sabe o quanto pode suportar, o quanto pode ceder e até quando dá para continuar. Não existe receita, nem fórmula, cada um age a sua maneira e, melhor, há seu tempo.

É Joana, quando estamos vivendo uma crise conjugal todo mundo quer dar o seu ‘pitaco’. Eu seu, você sabe, tudo mundo sabe que quem está de fora vê tudo com mais clareza. Que fique claro! Quem está de fora, vê as traições, vê tudo que o cônjuge apronta e mantêm-se calado, não fala nada, omite para não ‘atrapalhar’ a relação. E o traído só fica sabendo depois que acaba a relação. Não é verdade? Amiga, você há de concordar comigo que essas frases caem como uma luva: “O corno é o último a ficar sabendo.” Ou, “o pior cego é aquele que não quer enxergar.” Isso mesmo! Essas frases são a mais pura verdade.
E tem mais, não adianta todos nos provarem por A + B que estamos errados, que fizemos à escolha errada, que o parceiro não presta, porque, no final das contas, quem toma a decisão é o coração, é ele quem comanda nossas ações, por mais que a gente quebre a cara ali na frente.

E amiga, vamos confessar, nós mulheres toleramos muita coisa, mas quando tomamos uma decisão, não existe nada, nem ninguém que nos faça voltar atrás. Não é mesmo, meninas? Por isso homens, abram bem os olhos e os ouvidos, se você não quer perder sua companheira. Dê valor enquanto está junto, porque depois que perder não adianta mais chorar pelo leite derramado.

Amiga Joana, vamos combinar, não há dinheiro que pague a paz de espírito, não há dinheiro que pague você deitar no travesseiro e ter uma noite de sono tranqüilo, sem precisar ficar se torturando ao pensar o que e com quem o marido está até altas horas da noite. Amiga, olha que maravilha! O ciclo com seu marido fechou. O bom é que agora vai viver um recomeço, vai ter a oportunidade de fazer novas escolhas e, melhor, com a mente limpa.

O bom de tudo isso que aconteceu em sua vida Joana é que vejo que não existe mágoa no seu coração. Sinto que você está saindo dessa relação com a sensação de dever cumprindo. Se alguém pisou na bola, esse alguém foi seu marido. Se alguém perder, quem mais perder foi ele. Lá na frente, quando a idade pegar, ele vai lembrar da companheira das horas felizes e tristes, daquela para quem prometeu amar e respeitar, na saúde e na doença, na riqueza ou na pobreza. É amiga, quero ver se as jovenzinhas de hoje vão continuar ali do lado, firme e forte, cuidando do marido idoso, debilitado, limitado e frágil.

Ah! Só mais uma ‘coisitcha’. Não existe mais mulher para casar e mulher só para sexo. Nós somos mulheres para tudo isso e muito mais. O cara tem que ser muito macho para dar conta da gente. O cara tem que suar a camisa antes de querer procurar outra mulher. Ai ai ai... vamos fazer direitinho o ‘servicinho’ em casa antes de ciscar em outro terreiro. E macho que é macho não precisa ‘comer’ todas só para mostrar para os amigos que é o pegador. Engana-se o homem que acha que mulher gosta de homem pegador. Mulher gosta é de boa pegada, não de pegador. Qualidade é muito melhor que quantidade.

Só para finalizar: amiga, não poderia deixar de dizer que essas ligações privadas são o óh! Eitá pessoinha desocupada essa que perde o tempo querendo atrapalhar a minha, a sua e a vida de qualquer pessoa mais interessante. Joana, não pense que você é a única a ser vítima dessas ligações e mensagens indesejadas. Você não faz ideia de como sou incomodada por essas ligações, uma vez que tenho meu número de celular exposto para quem queira me ‘tirar pra loki’. Às vezes da vontade de meter o celular na parede e sumir para uma ilha deserta. Mas, infelizmente, somos obrigados a conviver com esse tipo de gente, não tem como evitar. A solução é ignorar. Uma hora essa pessoa se canse e me erra. Não é mesmo?

Um abraço, com carinho,
Lidiane Cattani Rabello - jornalista


01/09/2017 12:31
A linda e o anjo
Márcio Roberto Goes
01/09/2017 12:30
Três passos para gerenciar bem uma equipe
Leila Longo Romão
09/08/2017 18:26
Como reduzir custos na empresa sem promover demissões
Leila Longo Romão